Análise de Ryse: Son of Rome

Ryse: Son of Rome foi anunciado originalmente em 2010 como um game exclusivo para o Xbox 360 onde o uso do Kinect seria obrigatório. Foi somente em 2013 que o game virou um exclusivo do Xbox One. Ryse foi lançado pelas mãos da Crytek no lançamento do console. No game você controla Marius em sua jornada para vingar o assassinato da sua família. Durante a aventura Marius se junta ao exército romano e você acompanha a sua Ryse até se tornar um respeitado general. Além da vingança, Marius lutará também para salvar o Império Romano da queda.

ryse son of rome

Ryse é basicamente um jogo de ação com foco nos combates e execuções, onde você avança pelas fases enfrentando grupos intermináveis de bárbaros. Falando nos combates, o sistema é baseado nas execuções que Marius pode aplicar em seus inimigos. Depois de dar uma boa surra em um oponente, um pequeno icone aparece próximo dele para indicar que você pode executá-lo. Ao se aproximar do inimigo e pressionar um botão Marius vai iniciar uma sequência de execução. As execuções são opcionais; você pode simplesmente continuar com seus golpes de espada normais para acabar com o inimigo. Mas por trás das execuções existe um sistema que pode recompensar os jogadores com energia e até mesmo pontos extras de experiência pelas sequências bem aplicadas (basicamente, apertar os botões, X e Y, nos momentos certos). Ryse também traz um sistema de upgrades onde você pode aumentar energia e aprender novas execuções. Você pode comprar essas habilidades extras com a experiência ganha durante o jogo ou então com moedas compradas com dinheiro de verdade. Mas embora essa opção exista, ela é opcional: dá para terminar tranquilamente o game sem gastar um centavo a mais.

ryse son of rome

No início as sequências de execução são divertidas. “Afinal, quantas existem? Marius pode cortar os braços, será que ele também pode cortar as pernas?”. Mas depois de algumas horas a diversão se transforma em monotonia. As pequenas pausas enquanto Marius esta cortando o pescoço de um bárbaro ou atravessando seu coração com uma espada parecem durar uma eternidade, ainda mais quando os inimigos não param de aparecer.

Além das execuções que se tornam cansativas depois de um tempo, outro problema do game é a falta de variedade. Os inimigos são repetidos e os cenários, muito lineares. Existe pouca liberdade para exploração. O game adiciona uma pitada de variedade de vez em quando com os combates com lanças e também a possibilidade, limitada, de controlar uma tropa de soldados, com direito a formações de barreiras contra flechas ou então para atacar em grupo com lanças. Essas sequências são divertidas, e podem ser controladas pelo controle ou através do Kinect (com sua voz). O game é relativamente curto para um jogo do gênero, oferecendo em média de 7 a 9 horas de gameplay.

O visual do game é o seu ponto forte. Os detalhes dos cenários e expressões faciais dos personagens impressionam e são os melhores já vistos até agora em um console, graças ao motor gráfico CryEngine. Mas apesar de todos esses detalhes o jogo fica devendo nos efeitos dos cenários. Como por exemplo, quando você passa por uma poça de sangue, seu movimento não deixará pegadas ou qualquer outro tipo de marca.

ryse son of rome

É uma pena que toda a ambientação do game tenha sido pouco explorada pelo enredo superficial e pela falta de variedade no gameplay. Ryse: Son of Rome é bonito e divertido, mas com uma melhor narrativa, combates mais dinâmicos e maior variedade no gameplay, o game teria se tornado um clássico dessa nova geração.

Mas no final das contas o que temos é somente um esboço de um game, divertido mas repetitivo, que serve de vitrine para o poder gráfico do motor CryEngine e da nova geração.

Game Box

Ryse: Son of RomePlataformas:
Xbox One
Desenvolvedor:
Crytek
Distribuidora:
Microsoft
Lançamento:
22/11/2013

  • Visual impressionante
  • Comandar as tropas é divertido
  • Faltou variedade
  • Cenários muito limitados
  • As excecuções cansam depois de um tempo jogando
Repetitivo e, em alguns momentos, divertido, o grande destaque de Ryse é o seu visual impressionante.

Tags

Sobre: André Machado

André Machado é um gamer hardcore, desenvolvedor na Ubisoft Montreal, blogger, youtuber e ex-stargamer. :) Saiba mais sobre o autor.

Confira também...

0 comentários sobre “Análise de Ryse: Son of Rome”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *