Análise de Tomb Raider: Definitive Edition

O novo reboot da série Tomb Raider, lançado no ano passado para PS3, Xbox 360 e PC, foi considerado um dos melhores jogos de aventura/ação dessa geração. Com a chegada dos novos consoles a Crystal Dynamics e a Square Enix resolveram lançar uma versão atualizada do game. Essa nova versão, batizada de edição definitiva (Definitive Edition), foi lançada para o PS4 e Xbox One em janeiro.

Tomb Raider dispensa comentários: o game lançado em 2013 foi mais uma tentativa de redefinir a origem da protagonista, Lara Croft, depois do lançamento de Tomb Raider: Legend. Com mais de 6 milhões de unidades vendidas (até junho de 2014) e uma boa dose de inspiração em games como Uncharted e Assassin’s Creed, o game foi capaz de definir uma nova direção para a franquia, deixando os puzzles como elementos secundários e focando na sobrevivência e combate.

Tomb Raider: Definitive Edition

Ok, mas e quais são as novidades dessa versão em relação ao game de sucesso lançado em 2013? Basicamente a versão definitiva traz gráficos melhorados, o conteúdo de todos os DLCs já lançados para o original e o suporte para funcionalidades específicas dos novos consoles como o Remote Play e a barra de luz do DualShock 4 (PS4) e comandos de voz e gestos através do Kinect (Xbox One).

Um visual digno da nova geração

Com o poder dos consoles da nova geração a Crystal Dynamics aproveitou para melhorar o visual do game. Segundo a empresa, as texturas estão até quatro vezes melhores do que as usadas no original, além dos novos modelos usados para a vegetação, com arbustos e árvores que reagem ao movimento do jogador. Papo teórico de marketing? Não exatamente, pois na prática a diferença gráfica é perceptível. Duas melhorias chamam muito a atenção: os detalhes da personagem principal e os efeitos de partículas. No primeiro fica claro que a desenvolvedora teve um cuidado especial para trazer um modelo muito mais detalhado e realista para Lara Croft. Os cabelos, por exemplo, receberam um tratamento especial. A versão para PC do game original usa uma tecnologia da AMD conhecida como TressFX Hair, um sistema de física que aumenta o realismo dos cabelos. A novidade é que essa versão definitiva trouxe para os dois consoles da nova geração essa tecnologia da AMD, antes exclusiva dos PCs. Resultado? Os cabelos da Lara Croft estão como você nunca viu antes! Os efeitos de partículas não ficam atrás: a chuva, névoa e a fumaça fazem a diferença gráfica entre as gerações ficar ainda mais visível.

Tomb Raider: Definitive Edition

Ambas as versões estão em 1080p, porém a versão para o PS4 roda a 60 quadros por segundo (fps) enquanto a versão do Xbox One fica nos 30 fps. Na prática a diferença é quase imperceptível, mesmo colocando ambas lado a lado.

Você gosta do modo multiplayer? Os DLCs lançados para a versão original, e seus mapas multiplayer, foram incorporados a essa edição definitiva. Não somente os mapas como também os personagens, armas e roupas extras. Apesar dos extras o modo multiplayer não sofreu mudanças, então para quem não curtiu no original tudo o que resta como conteúdo extra é uma nova tumba, a the Lost Adventurer, com seus esperados 5 a 10 minutos de gameplay!

Outra novidade dessa versão é o suporte ao controle de voz e aos gestos. Com uma camera do PS4 ou um Kinect conectado você pode usar comandos de voz para algumas operações básicas como por exemplo para mudar de arma. Já os gestos podem ser usados para manipular artefatos coletados, usando as mãos para girar, aproximar ou mover tal item, ou então em determinadas cenas onde é possível mudar a posição da camera simplesmente movimentando seu corpo para os lados. Além de ser inútil, é melhor você preparar uma boa desculpa para quem te flagrar mexendo o corpo para os lados na frente da sua TV…!

Tomb Raider: Definitive Edition

PS4 e os recursos exclusivos

Mas é no PS4 que a versão definitiva mais se destaca pelo uso dos recursos exclusivos do console da Sony. O game usa a barra de luz do DualShock 4: a luz muda de cor, de azul para vermelho, quando sua energia está baixa ou então ela ganha um tom alaranjado quando Lara acende uma tocha. A luz também reage ao tiros, assim como a saída de som do DualShock 4, que reproduz o barulho das balas. Mas o grande diferencial da versão do PS4 é o suporte ao Remote Play! Sim, dá para jogar Tomb Raider com seus belos gráficos diretamente em seu PS Vita, sem precisar da sua TV ou monitor.

Tomb Raider: Definitive Edition

Vale a pena?

Para quem ainda não jogou o game original e tem um dos dois consoles da nova geração em casa não existe muito o que pensar: o game é excelente! A versão definitiva com seus belos gráficos é a melhor forma de experimentar o novo reboot da série Tomb Raider!

Mas e para quem já jogou o game original? Nesse caso a decisão é mais difícil e passa pela seguinte pergunta: gráficos melhorados, comandos de voz e gestos, novos mapas para o modo multiplayer e uma nova tumba são suficientes para justificar o investimento? Se você ainda não terminou o original ou então é fã do multiplayer, a versão definitiva vale a pena. Agora para quem já terminou o game ou não curte o modo multiplayer, os belos gráficos e a tumba extra não são suficientes para investir tempo e dinheiro nessa edição!

Game Box

DaylightPlataformas:
PS4, Xbox One
Desenvolvedor:
Crystal Dynamics
Distribuidora:
Square Enix
Lançamento:
28/01/2014

  • Visual impressionante
  • Mapas extras para quem curte o multiplayer
  • Uma tumba extra!
  • Comandos de voz e gestos para que?
  • Multiplayer continua a mesma coisa…
Obrigatório para quem ainda não jogou (ou não terminou) o game original! Para quem já terminou, o conteúdo extra e os gráficos melhorados não justificam o investimento!

Tags

Sobre: André Machado

André Machado é um gamer hardcore, desenvolvedor na Ubisoft Montreal, blogger, youtuber e ex-stargamer. :) Saiba mais sobre o autor.

Confira também...

0 comentários sobre “Análise de Tomb Raider: Definitive Edition”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *